O passo a passo do motorista em incidentes ou sinistros envolvendo produtos perigosos

Como o motorista deve se comportar em situações de emergências ou panes

Como o motorista deve se comportar em situações de emergências ou panes

Apesar de o assunto estar inserido na grade de formação do curso de Movimentação de Produtos Perigosos (MOPP), obrigatório para todos os motoristas que trabalham com estas cargas especiais, um fato preocupante está na falta de conhecimento de muitos condutores quanto à utilização dos Equipamentos de Proteção Individual e, principalmente, os Conjuntos para Situação de Emergência. São muitos os motoristas que desconhecem quais equipamentos são obrigatórios de acordo com a carga transportada e, ainda pior, mal sabem o que fazer em situações de emergência.

A utilização prática destes equipamentos deveria ser premissa básica nos cursos MOPP. O que vemos hoje é o estudo teórico dos dispositivos legais que regem o transporte de cargas perigosas. E o que é teórico, se não for praticado, cai no esquecimento ou na incorreção de ações. E se tratando de produtos perigosos, qualquer erro de procedimento pode causar sérios danos aos seres humanos ou ao meio ambiente.

Como não há na internet qualquer material que possa nortear o motorista sobre quais os procedimentos, isto é, o passo a passo, em situações de emergência, preparamos uma rotina de execuções que deve ser seguida rigorosamente pelo condutor, respeitando o contido na legislação de produtos perigosos e procurando preservar a segurança do motorista e dos demais elementos que compõem um cenário de acidente ou incidente envolvendo o transporte de produtos perigosos.

A utilização do EPI e do Conjunto para Situações de Emergência é obrigatória nas imobilizações inesperadas e contínuas do veículo

A utilização do EPI e do Conjunto para Situações de Emergência é obrigatória nas imobilizações inesperadas e contínuas do veículo

 

A rotina de procedimentos para o motorista

Antes de iniciarmos nossa rotina de procedimentos devemos subdividir as situações de emergência em dois blocos distintos, cada qual com uma forma de atuação diferente. Para melhor definirmos esta rotina, dividimos as situações em veículo envolvido em um incidente de trânsito e veículo envolvido em acidente de trânsito. Os veículos envolvidos em incidentes de trânsito são aqueles que sofrem pane mecânica ou qualquer motivo que cause sua paralisação definitiva (rastreamento, muito comum de ocorrer nas estradas). Acompanhe abaixo a rotina de atuação do motorista.

Disposição da sinalização em situações de panes no veículo

Disposição da sinalização em situações de panes no veículo. O motorista deve sempre sinalizar seu veículo para evitar que outro veículo possa causar um acidente bem como afastar os curiosos do local.

Veículo envolvido em incidente de trânsito:

  1. Parar o veículo em local seguro dentro do possível;
  2. Sinalizar o veículo seguindo os seguintes procedimentos: a primeira linha de conificação em agulha ou cunha, com início no bordo da via até a extremidade do veículo; conificar em volta do veículo;
  3. Instalar as fitas de contenção de pessoas;
  4. Instalar os painéis auto-portantes com a inscrição “Perigo Afaste-se”;
  5. Não fumar próximo ao veículo;
  6. Calce os pneus do veículo;
  7. Contatar imediatamente a empresa;
  8. Informar a polícia e os órgãos de trânsito responsáveis pela via.
  9. Permanecer fora do veículo, em local seguro.

 

Disposição da sinalização em situações de sinistro

Disposição da sinalização em situações de sinistro. O motorista deve verificar se há ou não vazamentos, alertar as equipes de emergência, posicionar-se contra o vento e sinalizar o local.

Veículo envolvido em sinistro:

  1. Antes de qualquer atitude, o condutor deve portar sempre à mão o Envelope para o Transporte e a Ficha de Emergência;
  2. Após o sinistro, o condutor deve colocar-se contra o vento (posição frontal ao veículo e com o vento nas costas), de forma que possíveis vazamentos não o atinjam diretamente;
  3. Alertar as demais pessoas sobre os riscos da carga transportada orientando a respeito do posicionamento contra o vento (posição frontal ao veículo e com o vento nas costas);
  4. Verificar visualmente e com segurança se há vazamento da carga;
  5. Iniciar a conificação do veículo, na forma de agulha ou cunha, com início no bordo da via até a extremidade do veículo, se não houver vazamento, iniciar a conificação em torno do veículo,
  6. Instalar as fitas de contenção de pessoas,
  7. Instalar os painéis auto-portantes com a inscrição “Perigo Afaste-se”;
  8. Se houver vazamento, avise imediatamente a empresa, os órgãos de trânsito, a polícia e os Bombeiros, se colocando a uma distância segura e livre da incidência do produto transportado e informando preliminarmente qual carga transportada e seu número ONU;
  9. Procure sinalizar o local alertando os demais condutores acerca do vazamento e dos riscos iminentes. Se for possível o alcançar os dispositivos de segurança, utilize a conificação para realizar a sinalização;
  10. Se as especificações da carga transportada permitir sua contenção segura, utilize o EPI obrigatório e os kits de contenção específicos e tente conter o vazamento, mas atenção somente faça isto se possuir o treinamento necessário promovido pela empresa;
  11.  Calce os pneus do veículo se possível e se necessário;
  12.  Impeça a aproximação de curiosos informando os riscos da carga transportada;
  13.  Não fumar e alertar as pessoas próximas sobre o risco de fumar próximo ao veículo acidentado;
  14.  Avisar imediatamente a Polícia, Corpo de Bombeiros e órgãos de trânsito e a empresa, independente se há ou não vazamento;
  15.  Utilize seu EPI, mesmo sem vazamentos;
  16.  Permanecer em uma distância segura do veículo.

 

Esta rotina poderá ser utilizada por empresas para a aplicação prática de treinamentos aos seus motoristas. Devemos lembrar que a repetição destes procedimentos irá gerar a memorização e a fácil assimilação do condutor quanto aos procedimentos de segurança. Quanto mais treinado e preparado é o motorista menor serão os riscos de que uma simples pane mecânica possa se transformar em uma tragédia sem precedentes.

Importante esclarecermos que cada ocorrência possui suas peculiaridades e nenhum sinistro é igual ao outro devido a muitos fatores tais como clima, traçado da via, cenário do sinistro, etc. O importante neste caso se refere ao conhecimento básico da rotina sobre as providências iniciais no atendimento de um sinistro. Com a memorização de procedimentos o motorista possuirá maior desenvoltura para resolver todos os detalhes que cercam cada tipo de acidente ou incidente, sejam eles quais forem os fatores externos predominantes.

 

Material utilizado no mini-treinamento da revista Mundo Trânsito para os funcionários das empresas Air Products e BBM Transportes, em Mogi das Cruzes-SP.

Pin It

4 comentários em “O passo a passo do motorista em incidentes ou sinistros envolvendo produtos perigosos

  1. CLAUDIO RUYZ CARDOSO 28 de abril de 2014 at 9:27 -

    Ótima abordagem e explicação.
    O momento do incidente ou acidente envolvendo o veículo ou carga no transporte de produtos perigosos pode causar pânico a um motorista mal preparado ou informado, podendo aumentar e/ou piorar as consequências.
    Apenas uma observação quanto às ilustrações:
    - De acordo com a ABNT NBR 9735 são apenas 4 cones “laranja e branco” para utilização na sinalização do trânsito. Os outros dispositivos de sinalização “suporte de fita” (que também podem ser cones) são 6 (ou dez para bi-trem) e devem estar em volta do veículo.

    CLAUDIO RUYZ CARDOSO
    Consultor em Transporte de Produtos Perigosos
    RC Qualificação Profissional Ltda.

  2. Muito instrutivo as informações apresentadas. Mas como instrutor do curso para condutores de transporte de produtos perigosos lembro que a ficha de emergencia de porte obrigatorio, junto com os demais documentos da carga, contém todas as informações pertinente a carga transportada, inclusive deverá constar quais os EPIs deverão acompanhar o transporte, conforme o produto, para uso nas situações necessárias.
    Durante o curso os cursandos são devidamente orientados a não movimentarem seus veículos de carga sem antes revisarem toda a documentação que envolve o transporte de produtos perigosos. Na falta de qualquer documento, o mesmo deverá ser solicitado ao transportador responsável.

    Almir Rodrigues
    Instrutor de Transito.
    Técnico no Transporte Rod. de Cargas/ANTT

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


9 + cinco =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>